RSS

Lembrar…

09 Out

Eu nunca usei o espaço pra falar de coisas pessoais. Mas não há como não falar na atual situação.

Quando perdemos alguém muito querido, a dor é irreparável, a saudade é descontrolada, as lágrimas parecem não acabar. Isso é inegável! Mas acho que o fator que mais faz doer, é que pra algumas pessoas, perder alguém é fazer ressuscitar as lembranças do passado de outros entes queridos que se foram e que a vida deu conta de acomodar as dores dentro de nós.

A notícia repentina da morte do admirado Gabriel Labanca, figura ilustríssima da equipe da Quase, me fez parar e pensar. Doeu como se eu o tivesse conhecido a vida toda.

O amor de todos que viveram com ele e as demonstrações de carinho inundaram meu coração e fui tomada por um mar de lembranças. As pessoas que mais respeitei e admirei se foram. Daí,  ler cada homenagem ao Gabriel, foi como ler sobre o amor que devotava aos que na minha  vida não mais estão –  (mas nunca me  deixaram).

A gente não entende, quer gritar, brigar, culpar, chorar, rir, olhar fotos, ouvir músicas, assistir vídeos, ficar em silêncio… Fato. A vida pode ter nos ensinado muitas coisas, outras já nascemos com o instinto de ir e fazer, a única coisa que a vida não trouxe a cartilha foi sobre como lidar com a perda de quem amamos. E isso, nós nunca vamos aprender. O tempo ameniza, mas não cura.

Não há nada do que eu escreva aqui que vá descrever a dor de quem está vivendo este momento. NADA. E  não ousarei tentar fazê-lo, poderia roubar um mísero segundo de lembrança imprescindível na vida de alguém. Muito menos ousarei tentar explicar o que se passa em meu coração com as lembranças de Vamberg Alves,  meu querido mano e minha Tia Lourdes. Não existe palavra no mundo que descreva o que inunda meu coração.

Quando penso na dor dos amigos do Gabriel (alguns meus amigos), gostaria de poder enfiar a mão dentro de seus corações e arrancar esta dor. Mas, faz parte da vida. Infelizmente.

Depois, com o tempo, o que fica registrado é aquele sorriso que sempre nos foi dirigido. Um olhar. A voz ao  chamar nosso nome.

E do Gabriel, tenho certeza, que a doçura e a luz que existia nele irão guiar as mais lindas lembranças e encher o coração sempre que alguém lembrar dele.

A maior coisa que aprendi com o Vamberg, em vida, além da humildade, foi que um momento, um único segundo, pode se tornar uma vida inteira. (“saber que um momento é uma vida”).

E é assim que me sinto em relação ao Gabriel, um único olhar dele era capaz de encher de energia qualquer lugar e mostrar que o importante é fazer daquele momento um registro pra vida inteira.

Deixo aqui minha admiração pelos personagens que o Gabriel representou na Quase, pelo pouco que conheci dele e a homenagem dos que amei e já se foram da minha vida.

Anúncios
 
1 Comentário

Publicado por em Outubro 9, 2012 em Texto

 

Etiquetas: , , , , , ,

One response to “Lembrar…

  1. Luis Paulo Camisasca

    Outubro 16, 2012 at 12:49 am

    Obrigado pelas belas palavras, Taynara. O Gabriel era fantástico mesmo, e merece todas nossas homenagens.
    Abs, Luis Paulo

     

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: